Acidente chama atenção que construção do Itaquerão pode chegar a R$ 1,8 bi, com alto risco de render CPI

Por Jorge Serrão  serrao@alertatotal.net

R$ 1 bilhão e 800 milhões e subindo… Este é o valor comentado ontem por lobistas do setor de construção civil sobre os gastos previstos para a obra de construção do Estádio do Corinthians, na Zona Leste de São Paulo, que o clube pretende batizar, depois da Copa do Mundo, com o nome de seu ilustre torcedor Luiz Inácio Lula da Silva – o padrinho político da caríssima obra tocada em ritmo frenético pelo consórcio comandado pela Odebrecht – a maior transnacional do Brasil.

O caso Itaquerão pode render uma Comissão Parlamentar de Inquérito, se a oposição se mexer, para investigar indícios de superfaturamento e a falta de transparência em seu financiamento, com dinheiro público. O estádio corinthiano, em um local de complicadíssimo acesso na superpopulosa Zona Leste de São Paulo, deverá custar mais caro que o Maracanã – cuja obra foi estimada em R$ 1,23 bilhão. O custo da “Arena Corinthians” (que pode ser batizada de Arena Lula) pode ficar ainda mais alto depois do acidente.

Ontem, no mercado de empreiteiras que atuam cartelizadas mas se odeiam, vazou a informação sobre o absurdo preço pago pelo aluguel da máquina acidentada. O guindaste modelo munck LR 11350, fabricado na Alemanha pela Liebherr, era alugado pela empresa BHM pela tarifa diária de R$ 35 mil. O equipamento seria um dos mais caros na complexa execução da obra, que tem indícios de superfaturamento, e cujo processo de financiamento peca pela enorme falta de transparência, envolvendo o BNDES e outro banco estatal – a Caixa – que também patrocina o Corinthians.

O absurdo gasto com o Itaquerão vem à tona no submundo da empreiteiragem depois do acidente com um guindaste que içava o último módulo da estrutura da cobertura metálica do estádio tombou provocando a queda da peça sobre parte da área de circulação do prédio leste – atingindo parcialmente a fachada. A construtora garante que o acidente não afetou a estrutura do estádio – que fica com a obra interditada, pelo menos, até segunda-feira, aumentando o risco de atraso na entrega para a abertura da Copa do Mundo da Fifa. A Perícia vai investigar se houve falha humana, defeito no guindaste, instabilidade do terreno ou tudo isso combinado.

Um vídeo do arquiteto e urbanista Márcio Antônio Campos (enviado ao site G1 e disponível no YouTube) mostrou o momento da queda da peça da cobertura do estádio e do tombamento do guindaste na Arena Corinthians, que aconteceu às 12h 40min de quarta-feira passada. Pós-graduado em perícia e avaliações e especialista de patologia da construção civil, Campos resolveu pegar a câmera e filmar porque percebeu que uma viga de sustentação da obra estava tremendo. O profissional fez parte de um grupo de arquitetos do Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU-SP) que fazia uma vistoria técnica no Itaquerão desde horas antes do acidente.

Simbolicamente, o capimunismo petralha comprovou sua fragilidade com o acidente na construção superfaturada do estádio do Corinthians – programado para sediar a abertura da Copa de 2014, do jeito que ficar pronto, no dia 12 de junho de 2014. Agora, está mais que evidente que um governo patrocinador de mensalões e obras perdulárias com dinheiro público também tem tudo para cair como uma caríssima grua alemã…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s