Crime do ketchup envolve triangulo amoroso e pistoleiro

Depois da trama ela ficou conhecida como Lupita ketchup

As autoridades de Pindobaçu cidade do estado da Bahia estão com um problema interessante para resolver, envolvendo assassinato e extorsão e mais alguns delitos.

A trama é um triangulo amoroso que transformou num plano mirabolante de assassinato e extorsão e foi manchete no Brasil e no resto do mundo.  A história começou quando duas amigas disputavam o mesmo homem. O objeto de desejo das duas era Virlan, que era casado com Lupita, uma das pontas do triangulo, mas Virlan também era amante de Nilza outra ponta do triangulo. A obsessão de Nilza por Virlan e por não querer compartilhar com ninguém resolveu contratar um matador de aluguel para assassinar Lupita e ficar com Virlan só para ela. Porém a coisa começou a dar errado quando Roberto Alves um ex-presidiário incumbido do assassinato de Lupita, a reconheceu como uma amiga de infância e desistiu do crime, para não perder o pagamento do serviço Roberto e Lupita, arquitetaram um plano para forjar a morte de Lupita e dividiriam o dinheiro entre eles, como Nilza exigia a prova da morte,Roberto cobriu o corpo de Lupita com ketchup colocou um facão na axila e tirou uma foto para a comprovação do fato e recebeu o dinheiro combinado, ainda assim o pistoleiro enganou Lupita na partilha do dinheiro dando menos do que foi combinado. Posteriormente Nilza viu a suposta falecida em um forró na companhia de Virlan, com a descoberta Nilza denunciou o caso a policia, resultado, os quatro envolvidos podem ser presos.

Bandido vira travecão pra dar perdido na PM

Pra escapar de inimigo, criminoso invadiu casa durante a madrugada na ZL

Depois de manter reféns oito pessoas de uma mesma família durante cerca de seis horas, um ex-presidiário foi preso pela Polícia Militar quando tentava deixar a residência vestido de mulher, no Parque São Rafael, Zona Leste de São Paulo. O rapaz, identificado como Tiago Batista, de 24 anos, trajava blusa feminina, saia e botas. Ele também usava um chapéu para cobrir parte do rosto, que estava todo maquiado.

Segundo o sargento Douglas Rogério dos Reis, da Força Tática do 38º Batalhão da PM, um parente que mora ao lado da família refém estranhou a falta de movimentação na casa e foi verificar o que estava acontecendo. “O sobrinho do dono da casa subiu no muro e viu um rapaz com uma arma na mão dentro da residência. Estávamos em patrulhamento na região e ele parou nossa viatura”, informou o sargento.

Quando chegaram no endereço, na Rua Amâncio Rebelo, os policiais viram duas mulheres saindo da casa às 10h. Uma delas chamou bastante a atenção da PM, pois estava toda vestida de preto debaixo de um baita calor. Era o criminoso travestido, que estava ao lado de uma das moradoras, de 57 anos.

Os policiais entraram na casa e encontraram outros sete moradores, entre eles uma criança de dois anos, trancados num dos quartos. “Revistamos o quarto e encontramos uma pistola 9mm, de fabricação israelense, escondida debaixo da cama”, disse o sargento. O rapaz alegou que invadiu a casa da família por volta das 4h de ontem porque estava fugindo de um ex-colega de prisão, que prometeu matá-lo e trocou tiros com ele minutos antes.

 

Maconha, recebendo em casa!

“Policia Holandesa enviou 30 mil raspadinhas com cheiro de maconha para que o público possa ajudá-lo a descobrir plantações ilegais de cannabis”

Plantação em estufas,alta tecnologia para o crescimento acelerado do plantio.

Autoridades em Rotterdam e Haia querem que as pessoas reconheçam o cheiro característico da droga, para que eles possam informar sobre as culturas escondidas nos jardins dos vizinhos.

Posse e consumo de pequenas quantidades de maconha é tolerado na Holanda, mas, grandes quantidades da droga é ilegal.

Muitas são as culturas em estufas ou galpões em áreas urbanas, equipados com lâmpadas de calor para fazer a planta crescer mais rápido.

A polícia estima que existam cerca de 40 mil plantações ilegais no país, e dizem que destruir cerca de 5.000 delas por ano.Um porta-voz da polícia disse: ‘Nós temos enviado raspadinhas que cheiro de maconha para que as pessoas possam se familiarizar com o cheiro.”Eles irão, em seguida, ser capaz de reconhecê-lo em seus bairros e nos alertar para a sua presença.””Pode parecer inofensivo cultivar algumas plantas, quando o uso da droga é tolerado, mas muitas pessoas estão colhendo-lo em larga escala que é ilegal.”

Por: João José dos Santos Neto
jojosantosneto@gmail.com

Brejeiro é preso em MOC

 Sai de Francisco Sá para vender drogas em Moc

14/08/2010 – 09h20m

Três pessoas foram presas pela polícia militar na tarde quinta-feira, 12, todas suspeitas de tráfico de drogas na Rua Nilo Peçanha, Bairro Vera Cruz. Segundo a PM, durante patrulhamento pelo bairro, policiais militares sob o comando do sargento Gonçalves encontraram Emerson Warley Vieira, 30 anos, residente na cidade de Francisco Sá, saindo de um estabelecimento comercial no Bairro Vera Cruz. Ele segurava numa das mãos uma pedra de crack pesando 15,5 gramas. Emerson informou que estaria vendendo a droga no local. Além dele, os policiais prenderam Agnaldo Gonçalves da Silva, 33 anos, com nove passagens pelos meios policiais, e Maiko Alexandre Morais, 28 anos, ambos moradores e proprietários do local onde o traficante de Francisco Sá foi preso. Eles foram levados para a delegacia de polícia juntamente com a droga apreendida. Além da prisão dos três suspeitos de tráfico de drogas, foi constatado que o estabelecimento não possuía alvará de funcionamento.

Fonte: http://www.onorte.net