A Copa da Esperança e a Copa do Medo

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net 

Por Arnaldo Jabor

 Medinho da CopaMeu avô chegou em casa chorando. As ruas estavam desertas e o silêncio era total. Isso, no dia 16 de julho de 1950, quando o Brasil perdeu para o Uruguai. Lembro de meu avô dizendo que só se ouviam os sapatos. Os chinelos, até pés descalços desciam as rampas do Maracanã, e, vez por outra, alguém soluçava. Eu era pequeno e não entendia bem aquele desespero que excitava a criançada — ver adultos chorando! Muitos anos depois o Nelson Rodrigues me disse a mesma coisa: só os sapatos falavam. Mas, por que isso aconteceu?
A guerra tinha acabado, a Fifa nos escolhera para a sede da Copa porque a Europa estava ainda muito combalida pela guerra. Tivemos de construir o Maracanã, que o prefeito Mendes de Morais inaugurou como se fosse o símbolo de um Brasil novo — o maior estádio do mundo. Getúlio Vargas já era candidato a presidente democraticamente eleito e tínhamos a sensação de que deixaríamos de ser um país de vira-latas para um presente que nos apontava o futuro.
 O governo Dutra tinha gasto a maior parte de nossas altas reservas do pós-guerra em importações americanas. Inteiramente submissos ao desejo dos gringos, nos enchemos de produtos inúteis: meias de náilon, chicletes de bola, bolinhas de gude coloridas com que jogávamos, ioiôs, carros importados, o novo clima do cinema americano, dos musicais da Metro, o sonho de alegria e orgulho que pedimos emprestado aos Estados Unidos.
 Com ingênua esperança de modernidade, achávamos que nossa vez tinha chegado. E fomos ao jogo para ver nossa independência. Tínhamos certeza absoluta da vitória. Os jornais já fotografavam os jogadores do “scratch” como campeões invencíveis. Tínhamos ganho tudo. Apenas um empate com a Suíça, sete a um contra a Suécia, seis a um contra a “fúria” espanhola.
 O estádio estava cheio de ex-vira-latas, de ex-perdedores; como diria Nelson Rodrigues, todos éramos patrióticos granadeiros bigodudos e dragões da independência, Napoleões antes de Waterloo. Não queríamos apena uma vitória, mas a salvação. Só a taça aplacaria nossa impotência diante da eterna zona brasileira. Queríamos berrar ao mundo: “Viram? Nós somos maravilhosos!”
 Precisando de somente um empate, a seleção brasileira abriu o marcador com Friaça aos dois minutos do segundo tempo, mas o Uruguai conseguiu a virada com gols de Schiaffino e Ghiggia. Claro que foi um terrível lance de azar, mas, para nós, o mundo acabou. No estádio mudo, sentia-se a respiração custosa de 200 mil pessoas. Ouvia-se a dor. Foi uma mutação no país.
 Não estávamos preparados para perder! Essa era a verdade. E a certeza onipotente leva à desgraça. Traz a morte súbita, a guilhotina. Sem medo, ninguém ganha. Só o pavor ancestral cria uma tropa de javalis profissionais para o triunfo, só o pânico nos faz rezar e vencer, só Deus explica as vitórias esmagadoras, pois nenhum time vence sem a medalhinha no pescoço e sem ave-marias. Isso é o óbvio, mas foi ignorado. E, quando o óbvio é desprezado, ficamos expostos ao sobrenatural, ao mistério do destino.
Um amigo meu, já falecido, Paulo Perdigão, escreveu um livro essencial para entender o país naquela época: a “Anatomia de uma derrota”, onde ele cria uma frase que nos explicava em 1950 e que nos explica até hoje: o Brasil seria outro país se tivéssemos ganho “aquela” Copa, “naquele” ano. “Talvez não tivesse havido a morte de Getúlio nem a ditadura militar.
 Foi uma derrota atribuída ao atraso do país e que reavivou o tradicional pessimismo da ideologia nacional: éramos inferiores por um destino ingrato. Tal certeza acarretou nos brasileiros a angústia de sentir que a nação tinha morrido no gramado do Maracanã…”. E aí ele escreveu a frase rasgada de dor: “Nunca mais seremos campeões do mundo de 1950!”.
Esta sentença nos persegue até hoje. Talvez nunca mais tenhamos o peito cheio de fé como naquele ano remoto.
 Lá, sonhávamos com um futuro para o país. Agora, tentamos limpar nosso presente. Somos hoje uma nação de humilhados e ofendidos, debaixo da chuva de mentiras políticas, violência e crimes sem punição. Descobrimos que o país é dominado por ladrões de galinha, por batedores de carteira e traficantes. E mais grave: a solidariedade natural, quase “instintiva” das pessoas está acabando. Já há uma grande violência do povo contra si mesmo.
 Garotos decapitam outros numa prisão, ônibus são queimados por nada, meninas em fogo, presos massacrados, crianças assassinadas por pais e mães, uma revolta sem rumo, um rancor geral contra tudo. Repito: estamos vivendo uma mutação histórica.
 Há uma africanização de nossa desgraça, com o perigo de ser irreversível. E não era assim — sempre vivemos o suspense e a esperança de que algo ia mudar para melhor. 
Isso parece ter acabado. É possível que tenhamos caído de um “terceiro mundo” para um “quarto mundo”. O quarto mundo é a paralisação das possibilidades. Quem vai resolver o drama brasileiro? As informações criam apenas perplexidade e medo mas, como agir? Não há uma ideologia que dê conta do recado.
Anúncios

Globo reforça divulgação do Troféu Algemas de Ouro por Lula apoiar Lei dos Meios de Cristina Kirchner

Algema de ouroLula “venceu” com 65,69% dos 14.547 votos válidos registrados pelo Movimento 31 de Julho. Só não “ganhou” com mais folga porque a petralhada fraudou a votação eletrônica, na vã tentativa de salvar o chefão Lula. Os malandros usaram um programa de automático que criava perfis falsos no Facebook para direcionar os votos para candidatos a corruptos ligados ao PSDB e DEM. Os fraudadores conseguiram 38% do total de 23.557 votos, mas não conseguiram tirar a algema dourada do campeão.

 

Veja a matéria completa no link: http://www.alertatotal.net/2013/01/globo-reforca-divulgacao-do-trofeu.html

Transmissão de faixa imaginária

Transmissão de faixa imaginária

 

 

 

 

 

 

 

Extraído de Alerta Total siga o link e leia mais.

Enquete:Qual secretário não conta com sua aprovação

Devido a dois problemas na elaboração da enquete a mesma foi paralisada temporariamente para sua correção, como medida contra fraudes toda alteração do formulário zera  os votos computados automaticamente solicitamos que todos que já tenham votado a gentileza de votar novamente.

As correções foram as seguintes:

1º-Troca do nome do secretário adjunto de esportes Elvis Rodrigues que na realidade é o secretário adjunto da saúde por Thiago Winderes – esportes adjunto

2º- Inclusão de Gerson Xavier – compras adjunto o mesmo tinha sido esquecido

Salvamos os resultados até as 17 horas do dia 01 de janeiro de 2013 na lista abaixo, pedimos desculpas pelos erros e esperamos que continuem votando é só seguir o link:http://www.enquetes.com.br/popenquete.asp?id=1053483

Qual secretário não conta com sua aprovação

José Ivailde – Administração
0,88% (2 votos)
Maria Nazareth – Educação
1,75% (4 votos)
Letícia Ribeiro – Educação adjunto
0,88% (2 votos)
Sinvaldo Pereira – Saúde
5,26% (12 votos)
Elvis Rodrigues – Saúde adjunto
1,75% (4 votos)
Jair Fernandes – Diretor Hospital
4,82% (11 votos)
Tiburtino Colares – Diretor Clinico
0,88% (2 votos)
Roberto Luiz – Cultura
0,88% (2 votos)
Marcos Victor – Cultura adjunto
9,21% (21 votos)
Ronaldo Ramon – Finanças
4,82% (11 votos)
Carlos Martins – Finanças adjunto
7,46% (17 votos)
Idalino Alkimim – Desenvolvimento Social
17,11% (39 votos)
Silvânia Oliveira – Desenvolvimento adjunto
1,75% (4 votos)
Helder Eduardo – Defesa Social
4,39% (10 votos)
Pastor João Neto – Defesa Social adjunto
1,32% (3 votos)
Jair Rodrigues – Planejamento
6,14% (14 votos)
Alaor Brito – Obras
2,19% (5 votos)
Wellington Pereira – Transportes
2,63% (6 votos)
Maria Ildeny – Governo
13,16% (30 votos)
Antônio dos Reis – Gabinete
1,32% (3 votos)
José Tadeu – Compras
3,51% (8 votos)
Magno Marcelo – SAAE
0,88% (2 votos)
José dos Santos – Esportes
0,88% (2 votos)
Elvis Rodrigues – Esportes adjunto
1,75% (4 votos)
Sergio Murilo – Agricultura
4,39% (10 votos)

Total: 228 votos

Distúrbio do tiro no saco

Mané dá tiro no bilau com revolver cor de rosa

Literalmente a expressão “O tiro saiu pela culatra” pode ser exemplificada com fatos verídicos que o correm no mundo todo, nos últimos dias fiquei sabendo de “audazes” que conseguiram não sei como nem porque alvejar os próprios testículos com um tiro.

Noticia divulgada pela emissora de TV Fox, dá conta que o Sr.Joshua seto de 27 anos poderá ser processado pelo Estado do Arizona (EUA), por disparo acidental e uso indevido de arma de fogo. De acordo com o sargento J.Favazzo a policia está investigando o fato para elucidar porque o autor do disparo atirou em seu próprio pênis com um revolver cor de rosa pertencente a sua namorada, supõe que a arma disparou quando ele enfiou na calça.

Também não é sabido se o “Mané” terá algum tipo de dano ao seu órgão reprodutor, psicologicamente não deverá ser agradável para seu bilau participar de alguma festa junina.

Francisco Sá também entrara para as estatísticas mundiais de tiro no bilau depois que um comerciante local consegui realizar a mesma proeza.

QUEM VIVER NÃO VERÁ.

Pizza a moda brejeira

Há pouco tempo atrás, não mais que dois meses a quietude brejeira foi quebrada, a cidade ficou em polvorosa, de morro a morro só se falava de tal CPI, para os menos informados e CLI para os mais informados.  Afinal de que trata essa tal CLI?  Supostas denuncias de irregularidades administrativas da atual gestão seriam investigadas. A cidade movimentou-se até quem nunca assistiu uma reunião da câmara foi dar uma conferida, quem não foi ficou próximo ao prédio esperando alguém sair para saber o que ocorria lá dentro. Eu próprio por não disponibilizar  tempo para  assistir IN Loco a sessão aguardava  noticias. Passada a angustiante espera fiquei sabendo que uma testemunha chave recuou e negou “tudinho”, foi uma decepção para muitos e um alivio geral para alguns. Findo o primeiro capitulo a emergente bancada oposicionista espera em breve um novo ataque, principalmente depois que um ex-funcionário municipal entregou, segundo fontes confiáveis e não confiáveis provas comprobatórias sobre novas irregularidades administrativas. Até o momento não existe nada concreto sobre esses fatos, nem o tradicional “pedra no sapato”, o Jornal de Francisco Sá, em sua última edição, não tocou no assunto. O cidadão não sabe as quantas andam as investigações e o tema já perdeu a popularidade nas rodas de bate papo, o assunto agora é a desclassificação do Cruzeiro na Copa Libertadores da América.

A possibilidade de tudo isso acabar em Pizza é muito grande, tanto que está sendo feita uma reforma no bar do parque dos namorados, que há tempos estava abandonado, concluída a reforma a inauguração poderá ser à base de pizza.

Postado por e-mail.

Os números de 2010

Os duendes das estatísticas do WordPress.com analisaram o desempenho deste blog em 2010 e apresentam-lhe aqui um resumo de alto nível da saúde do seu blog:

Healthy blog!

O Blog-Health-o-Meter™ indica: Este blog está em brasa!.

Números apetitosos

Imagem de destaque

Um Boeing 747-400 transporta 416 passageiros. Este blog foi visitado cerca de 2,400 vezes em 2010. Ou seja, cerca de 6 747s cheios.

In 2010, there were 33 new posts, not bad for the first year! Fez upload de 103 imagens, ocupando um total de 11mb. Isso equivale a cerca de 2 imagens por semana.

The busiest day of the year was 14 de outubro with 39 views. The most popular post that day was Como vai a divida externa Brasileira.

De onde vieram?

Os sites que mais tráfego lhe enviaram em 2010 foram blogdodenilsao.blogspot.com, botecodoroberto.blogspot.com, obrejoinquestao.blogspot.com, google.com.br e obrejonobicodourubu.blogspot.com

Alguns visitantes vieram dos motores de busca, sobretudo por dispolar bipolar brejo, divida externa brasileira, bipolar dispolar brejo, http://www.blogzemario.blogspot.com e dívida externa brasileira

Atracções em 2010

Estes são os artigos e páginas mais visitados em 2010.

1

Como vai a divida externa Brasileira outubro, 2010
5 comentários

2

Distúbio bipolar do grau de escolaridade maio, 2010
7 comentários

3

Poluição sonora em nossa cidade junho, 2010
5 comentários

4

As Arvores além do aspecto paisagístico julho, 2010
7 comentários

5

A banalização dos partidos políticos setembro, 2010
2 comentários